PALESTRA PAZ NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Contrate uma de nossas palestras e conheça o nosso diferencial.

RESPIRE MELHOR: RELAXE SUA RESPIRAÇÃO - Workshop Vivencial

"A respiração é sua maior amiga. Volte-se para ela em todos os momentos de preocupação e encontrará conforto, orientação e direção." (Mestre oriental)

O livro "Vida em Palavras" pode ser adquirido nas principais livrarias de Cuiabá ou através de contato com a escritora.

Contrate nossos serviços prestados na área de Qualidade de Vida, Motivação, Humanização do Atendimento ao Público, Humanização da Convivência e Fortalecimento do Espírito de Equipe - Contato: (65)9951-5060 / 8147-4773 E-mail: solautoconhecimento@gmail.com

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Ser Feliz é Realidade

por Enildes Corrêa

"Quando você vive sem se apegar a algo, sem se identificar com coisa alguma, há uma vida bonita. Não se agarre ao passado e a algo que se foi. Quando você compreende a natureza da vida, você não cria nenhum tipo de apego." 
 Kiran Kanakia

"Sua felicidade não deve depender de ninguém. Não se faça miserável porque você precisa de alguém. Isso é um jogo da mente. Liberdade significa não depender de nenhuma felicidade ou alegria. Anand é o estado de bem-aventurança que inclui dor e alegria, um estado imperturbável em meio aos distúrbios.  O buscador nunca é miserável." 
 Kiran Kanakia

 Certa vez, minha mãe contou-me que foi a uma cartomante, que lhe disse: “a senhora tem sorte com os filhos. E a sua filha caçula vai ser muito, muito feliz”. Eu gravei essas palavras na minha memória, pois sou a filha caçula. Àquela época, sentia-me infeliz. E ser feliz era apenas uma sede intensa que existia dentro de mim.

Ansiava por uma felicidade permanente, que não chegava, condicionada a fatores externos. E o meu sonho de ser feliz foi encolhendo, tornou-se quase uma fantasia. Parecia uma miragem que, ao chegar perto, desaparecia sem sequer pedir licença para retirar-se... Todavia, o forte desejo de superar dores emocionais e encontrar a paz e a felicidade instigou-me a mergulhar no recôndito de meu ser, à procura de resgatar elos vitais que poderiam levar-me à paz e à unidade.


Após vários anos em contínua busca pelo autoconhecimento, viajei para o Oriente. O destino me levou para o caminho da Índia, realizando um sonho antigo meu de visitar o país de nascimento de Gautama Buddha.  

Fiquei encantada com tudo o que vivenciei naquele país do continente asiático: um modo de viver totalmente diferente, voltado para a interiorização e a espiritualidade, e que plantou em mim a semente do retorno.  A Índia, com todos os seus saberes e os seus mistérios, tornou-se uma atração irresistível na minha vida.  Foi vivendo lá que conheci a maravilhosa sensação de abraçar a vida com total abertura, receptividade e aceitação!

Sentia-me em êxtase, como se eu estivesse fazendo amor com o Universo, em harmonia com todos os elementos da natureza: terra, água, fogo e ar! Um tesouro invisível que trouxe guardado em meu âmago ao retornar ao Ocidente, de volta para casa, no meu amado Mato Grosso.   

Então, diante de experiências enriquecedoras e transformadoras, que expandem a consciência, tive a clareza de que até as pessoas que fazem o papel de diabo em nossas vidas, pelo mal que nos tentam infligir, podem estar contribuindo para que cumpramos o nosso destino. Parece que o mal só é mal para quem o pratica. E o reverso dessa força que quer provocar a destruição é a geração de uma força construtiva que potencializa o crescimento espiritual, caso encontre terreno propício para isso dentro de nós. “Deus escreve certo por linhas tortas”, lembra o dito popular.  Questiono-me se as linhas são tortas de fato ou se torta é a nossa visão... E Osho afirma: “A Existência é mais sábia que você e irá proporcionar-lhe todas as oportunidades necessárias para o seu crescimento”.

O autoconhecimento nos reserva muitas surpresas - novos e desconhecidos talentos emergem. Há algum tempo, comecei a escrever. A escrita brotou de modo inesperado e tornou-se uma atividade que me abre espaço de contentamento e nutrição interior. Sinto-me feliz e abençoada com o caminho que percorro, que me coloca em contato com o meu Ser, com a inteireza e o silêncio da alma.

Kiran Kanakia, místico sufi indiano, ajudou-me a compreender que felicidade é o estado natural de equilíbrio do ser humano. Está dentro de nós o tempo inteiro e jamais nos abandona. O segredo é fluir em harmonia com a Existência. Para isso, a aceitação incondicional da vida é uma condição, assim como sabermos estabelecer a conexão com o mundo interno, o que, lastimavelmente, é algo meio perdido e desvalorizado pelo homem moderno, o qual acredita que a sua autorrealização está ligada quase que estritamente à ascensão material.     

Kiran partilhou esta mensagem: “É possível relaxar, ser feliz com toda a infelicidade, com todos os problemas, com todos os movimentos e mudanças que acontecem naturalmente. É possível estar em silêncio, com todos os distúrbios”. É ilusão querer excluir da nossa frente as situações de dificuldades e desafios. O que faz a diferença é o nosso estado interior, a nossa compreensão, a maneira como olhamos e lidamos com os problemas. 

Ser feliz também é uma escolha individual e intransferível que fazemos a cada dia, a cada momento que vivemos. Ao recordar-me da profecia da cartomante, entendo-a muito bem, pois ser feliz, afinal, é o destino de todos os que se abrem para a vida, sem querer impor suas escolhas particulares e egoístas à Vontade Divina. 

Namaste!

ENILDES CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal Ayurveda.  Autora do livro Vida em Palavras

Compartilhar nas redes sociais:

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Diwali – Celebração de Luzes e Cores


por Enildes Corrêa
"Nós temos de viver de maneira muito celebrativa. Esse é o compromisso de todos nós com a vida. E isso é o que nós temos esquecido. Conecte-se com a vida. E, a não ser que você aceite a vida, não há maneira de conectar-se com ela".                  Kiran Kanakia
"Ver luz dentro de si mesmo e também dentro dos outros é viver o tempo todo cercado de um festival de luzes". Osho
Natal é um período em que é agradável  passear pela cidade e apreciar a decoração de luzes. Quanto mais luz, mais atraídos ficam os nossos olhos. Sentimos vontade de, simplesmente, parar e apreciar os locais decorados por cortinas, cascatas e contornos de luzes. A luz exerce atração e fascínio sobre nós, seres humanos, não é? Por isso os grandes mestres espirituais da humanidade nos atraem de forma irresistível, pois são Seres repletos de Luz.

Há algum anos, ao passear com o meu neto pelas ruas iluminadas de Cuiabá, surpreendi-me com as palavras do meu “Pequeno Buda”, forma carinhosa como costumo chamá-lo:  , as luzes vão acender todas na noite de Natal”. Fez uma curta pausa e prosseguiu, olhando-me com os seus lindos e brilhantes olhos azuis: “Eu também vou ficar cheio de luz”. E a sua fala foi totalmente espontânea. Ele fez a conexão das luzes lá fora com o mundo interno. Inocentemente, falou uma verdade, que exprime o espírito de Natal. Quantos de nós relacionam a iluminação da decoração natalina com a luz dentro de si?

Reportei-me à conversa que tive com Kiran Kanakia, na noite de Diwali, em outubro de 2003, em  Poona, Índia. Diwali  é o último dia do ano do calendário Vikram, um dos calendários hindus. Normalmente, viajo para a  Índia em dezembro, mas, no ano de 2003,  fui mais cedo e tive a feliz oportunidade de passar lá essa data em que acontecem várias e importantes celebrações religiosas do hinduísmo. Recordo-me de que desembarquei em Mumbai no dia 5 de setembro, à noite.  Naquele  dia, celebrava-se o Festival de Ganesh – o Deus da Boa Sorte (aquele com rosto de elefante), padroeiro da cidade de Mumbai. Qual não foi minha surpresa ao ver a cidade toda iluminada e muita gente nas ruas. 

Diante daquela visão luminosa e inesperada, acabando de chegar de uma longa viagem,  tudo parecia um sonho. Por pura coincidência, havia chegado à Índia em data tão especial. Pensei: que bom presságio para esta minha chegada!  

Foram muitas as celebrações religiosas a que assisti naquele período. A que mais me impressionou foi o Festival do Diwali, que significa celebração de luz e  simboliza o triunfo da luz sobre a escuridão.

A Índia é um país religioso e a celebração do Ano Novo hindu revela esse direcionamento espiritual. No dia do Diwali, os hindus oram, meditam e fazem pujas – oferendas espirituais – à Deusa Lakshmi, homenageada nessa data. Lakshmi é a deusa da luz, felicidade, riqueza e beleza. O perfume dos incensos e das flores está presente  por onde quer que passemos. E o som dos fogos de artifício é ouvido a noite toda.

Nessa data, os parentes e amigos se encontram,  trocam presentes, vestem roupas novas, comem e repartem doces. Visitei Kiran e sua família no dia do Diwali. Ele explicou-me o significado dessa celebração de luzes e cores. Nos  tempos antigos, era o reflexo do contentamento interior, a expressão da  celebração interna,  atualmente, havia se tornado um ritual. E, quando as pessoas têm que seguir a tradição, não há alegria para ser refletida. Dessa  forma, disse ele, a comemoração havia perdido muito do significado original.

Seja como for, pelo que eu vivenciei naquele inesquecível dia em Poona, percebi a força espiritual que reina no ambiente quando milhares de pessoas se unem em prece e meditação. A energia no dia do Diwali  é muito forte e especial, favorece uma abertura espiritual, principalmente se estivermos na presença de um Ser Desperto, que é uma Fonte pura de Luz e Amor.

É lastimável que, no Ocidente, as comemorações de fim de ano tenham sido esvaziadas pela visão extremamente materialista. Prevalece muito mais o aspecto material e consumista no Natal do que a celebração do verdadeiro espírito natalino. A área econômica do mundo ocidental conseguiu, inclusive, substituir o Menino Jesus pela figura do Papai Noel.

Mas deixando de lado as  minhas memórias da Índia e as comparações de diferentes tradições, desejo ao leitor Feliz Natal e que o Ano Novo seja uma contínua celebração de luzes e cores, tal qual o Diwali dos hindus. Que cada um de nós coopere com a vida para a vitória da luz, abrindo-se para a devida compreensão que permite a todos acenderem a própria chama e ser uma fonte de luz para si e para o ambiente ao seu redor. 

Namastê!

BENEDITA ENILDES DE CAMPOS CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal Ayurveda.  Ministra palestras e seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas. 

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A Mestra indiana Kusum Modak

por Enildes Corrêa
"Eu trato cada pessoa como um Templo de Deus. E os resultados deste trabalho que vejo nas pessoas são as bênçãos da Existência, são as bênçãos de Deus."     Kusum Modak

"O corpo é o maior Mistério em toda a Existência. Este mistério precisa ser amado – seus mistérios, seus funcionamentos precisam ser intimamente investigados por dentro. Se um homem aprende a sabedoria e o mistério do corpo, ele nunca se preocupará a respeito de sacerdotes ou de Deus. Ele terá encontrado o maior mistério dentro de si mesmo, e dentro do mistério do corpo está o real santuário de sua consciência."  Osho
Kusum  Modak é uma Mestra indiana criadora de uma  fantástica e poderosa técnica de terapia corporal que uniu duas das mais antigas filosofias práticas da  Índia – Ayurveda e Yoga.  Ayurveda é a medicina natural tradicional milenar indiana, existente há mais de 5.000 anos, sendo a ciência médica mais antiga da humanidade. 

Conheci essa Mestra em Poona, em 1997, quando recebi dela uma sessão individual de massagem. Em janeiro de 1998, participei de um dos  cursos de formação profissional em Yoga Massagem Ayurvédica Tradicional, que ministra em Poona, cidade onde reside. Como terapeuta corporal, reconheci imediatamente a amplitude e a eficácia desse trabalho, um dos motivos, inclusive, que me atraiu de volta à Índia.

Ela sabe, como ninguém, devolver a vitalidade bloqueada e perdida pelos padrões de tensão que se instalam em nosso corpo. Tensões que se acumulam em vários níveis, desde o nascimento.  À medida que toca o corpo de uma pessoa, da cabeça aos pés, as couraças musculares vão se soltando e correntes de vitalidade banham o corpo por inteiro. Mesmo os corpos mais tensos e rígidos respondem de forma extraordinária ao seu tratamento corporal.

Kusum Modak não trata somente de corpos tensionados, encouraçados, desorganizados e em dor. Em sentido mais amplo, através do seu trabalho, ela faz nascer uma nova vida. Sempre que a observava trabalhar, tinha a impressão de que Kusum era, na realidade, uma parteira de outra dimensão. Na atmosfera do ambiente, nos seus gestos e ações durante suas sessões, sentia a presença de um mistério e silêncio profundos. Cada sessão é como um parto e um verdadeiro renascimento acontece. A estrutura física é reorganizada, a circulação sanguínea é ativada, a capacidade respiratória amplia-se, a energia vital circula mais livremente, o corpo rejuvenesce e o estado de saúde natural em nível físico, mental e energético tem condições de ser restabelecido com maior facilidade. 

Kusum nos diz que temos que abrir o corpo parte por parte, como uma flor que vai se abrindo, pétala por pétala. Quando ela efetua as inúmeras e eficazes manobras que compõem o seu método, percebo que cada parte fechada e contraída do corpo abre-se naturalmente, ao toque altamente consciente e preciso das suas mãos e dos seus pés (na Ayurvédica usam-se os pés para dar mais pressão ao corpo), como uma flor que recebe a nutrição necessária para crescer e desabrochar.

Fico com a certeza de que cada toque dela transcende a forma física, penetra nas camadas mais profundas do nosso ser, deixando-nos mais relaxados, purificados, fortalecidos e abertos para a vida. Foi um presente da Existência ter conhecido e estudado com Kusum, pessoa iluminada, simples, íntegra, forte, corajosa, que tem se dedicado com plenitude a esse divino ofício, o qual tem ajudado milhares de pessoas das várias partes do mundo.

Ao seu lado, o aprendizado nunca se esgota. Sua própria presença é uma fonte de cura para alunos e pacientes. Kusum transforma-se em uma Grande Mãe para os que a ela se achegam com o coração aberto. Seus braços parecem ser múltiplos como os de alguns dos deuses do hinduísmo, pois têm a capacidade de acolher milhares de filhos que adotou ao longo de quase 30 anos de trabalho e convivência com gente das mais diversas nacionalidades.

Em 2005, passei seis meses em contato direto com essa mestra do corpo e da alma. Fui professora assistente nos cursos de formação profissional que ministrou nesse período para iniciantes e professores, na  Índia e no Brasil. Foi um mergulho na Ayurvédica, o que me permitiu uma larga intimidade com esta técnica de terapia corporal indiana com a qual trabalho desde 1998.

Tenho procurado manter-me fiel aos valiosos ensinamentos recebidos para conseguir transmitir, um pouco pelo menos, da essência real da Yoga Massagem Ayurvédica Tradicional em meu país. O magnífico exemplo de vida pessoal e profissional de Kusum encorajou-me a iniciar e a continuar devotada a este trabalho terapêutico totalmente natural, que uniu e potencializou os efeitos da Massagem Ayurvédica e dos alongamentos do Yoga. 

Namastê.

21/07/2005

ENILDES CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal.  Profª de Yoga. Ministra palestras e seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização do Atendimento ao Público. Autora do livro Vida em Palavras - coletânea de crônicas. E-mail:  omsaraas@terra.com.br

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Yoga – Ciência da Interiorização

 por Enildes Corrêa

"Yoga é para a entidade que está respirando dentro do corpo, a qual não é possível ver com os olhos, mas que você pode sentir e vivenciar."  Dr. Mukund Bhole

"Bem no fundo do corpo e do complexo da mente, há um fenômeno acontecendo constantemente. Não é corpo nem mente; é alguma coisa que pode observar ambos, a mente e o corpo. Respeite o seu corpo da mesma forma que você respeita a sua alma. Seu corpo é tão sagrado quanto a sua alma. Na Existência, tudo é sagrado porque todas as coisas estão pulsando com a batida do coração do divino."  Osho

Pratico Yoga há vários anos, porém, até encontrar o Yogacharya Dr. Mukund Bhole,  não havia descoberto a parte mais profunda desse sistema da filosofia indiana. Dr. Bhole é médico, mestre em fisiologia e renomado pesquisador da ciência do Yoga na Índia. Ex-diretor de Pesquisas Científicas do Instituto de Kaivalyadhama, Professor visitante em várias universidades de diversos países, é uma das mais respeitadas autoridades em Yoga e Yogaterapia da atualidade. Seu trabalho, que contempla tanto o lado científico quanto o espiritual, é reconhecido pela União Europeia de Yoga como uma nova expressão.

Encontrei-o na Índia, em janeiro de 2007. Seu método nos oportuniza a experiência interna com a respiração, uma das atividades vitais fundamentais do ser humano e, talvez, a única que pode ser modificada voluntariamente. A abordagem do Dr. Bhole tem como prioridade a experiência da própria respiração, compreender a mecânica da respiração normal e da voluntária, corrigir o mecanismo de ambas, caso estejam perturbadas ou erradas. Só, então, os estudantes começam a trabalhar com técnicas de Yoga.

A respiração está lá, desde que nascemos, porém muitos não experienciam a própria respiração. Quantos de nós percebemos o ar entrando e saindo do nosso corpo com total consciência? 

A maioria das pessoas respira de forma tensa. Nós não permanecemos conectados conosco, com as nossas atividades vitais. Ficamos desconectados de várias partes que compõem a nossa expressão. Desde a infância, somos ensinados a permanecer conectados com o não-self, com objetos materiais, eventos e acontecimentos. Distanciamo-nos do nosso Ser, da riqueza da vida interna.

Em nenhum lugar, aprendemos a lidar com as nossas emoções e a compreendê-las.  A Educação é voltada quase tão somente para a parte intelectual. O lado emocional não avança e, normalmente, permanece infantil, causa de uma série de transtornos em várias áreas: familiar, profissional, social.

Quando alguém se desliga do contato interno, perde a referência de si mesmo, desloca-se do ser saudável e do estado de felicidade. O abandono da vida interna ocasiona muitos estragos, dificulta viver em equilíbrio e harmonia consigo, com o outro e com o meio ambiente. Como afirma Dr. Bhole, às vezes, a pessoa não consegue ficar dentro de si porque não há casa interior. Não há lar nesse espaço interno; tornou-se um hospital.

É  aí que o Yoga tem lugar, como ciência da interiorização.  O termo Yoga é derivado de Yuj, em sânscrito, que significa unir, juntar, integrar. Constitui uma rica herança cultural indiana para a humanidade. É um caminho em direção à saúde integral e à expansão da consciência.

Ao longo de anos de prática no Brasil e na Índia,  tive experiência com diversas linhas de Yoga. A abordagem do Dr. BholeYoga Experiencial (Anubhava) – é totalmente diferenciada e resgata a essência dos ensinamentos originais dos textos clássicos do Yoga.

Em seus seminários, ao praticarmos os Asanas e Pranayamas aprendemos a reconhecer a presença de uma “força interna" (mudança de pressão devido à contração e relaxamento do diafragma torácico).  Trabalhamos com essa "força interna" e ela irá agir na parede do corpo por dentro. O corpo é sensibilizado e purificado das camadas mais densas às mais sutis, mediante práticas respiratórias. A corrente prânica é expandida da cabeça aos pés.

Observamo-nos através do corpo, da respiração. Onde estão os nossos bloqueios? Quais as causas dos distúrbios internos? Ao nos conectarmos internamente, somos capazes de perceber quais são os nossos desajustes e intervir na direção correta. O problema pode estar em alguma atividade vital fundamental do nosso corpo, como a respiração, que, em distúrbio, prejudica todas as demais.

Acompanhar e testemunhar o percurso do fluxo do ar dentro do corpo guia-nos aos condutos da via interna. Movemo-nos do espaço externo para o espaço interior. A prática de Anubhava Yoga nos conduz, de fato, a tocar o nosso Ser. “É o Self tocando o Self”. E Dr. Bhole enfatiza: “Yoga vai além do que os olhos veem, além daquela posição que estamos acostumados a ver. Ou seja, Yoga não é para o corpo, mas para a entidade que respira dentro do corpo”.

Tensões antigas instaladas em níveis muito profundos, que causam sérios desequilíbrios, são dissolvidas e acontece um amplo relaxamento físico, mental e energético. Assim, Anubhava Yoga – é uma das respostas altamente  eficazes a um dos maiores males do homem moderno: o estresse.

À medida que prosseguimos nessa prática, torna-se mais e mais agradável permanecermos conectados com a nossa casa interna. A consciência de nós mesmos amplia-se, a respiração relaxa e se expande. Abre-se um novo campo de experiência e consciência. E a Grande Vida secreta que respira dentro de nós é intensamente dinamizada.

Namaste.

ENILDES CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal. Profª. de Yoga. Ministra seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas. Autora do livro Vida em Palavras – coletânea de crônicas.  

A Vida é uma Dança







"Entenda como viver, como estar em harmonia, como estar em equilíbrio, como estar em sintonia. Uma vez que você compreende como estar em sintonia, a vida se torna uma dança". Kiran Kanakia

Aceitação com compreensão

"Aceitação com compreensão significa a sua própria sabedoria. O que lhe dá a sabedoria é o seu próprio encontro, a sua própria experiência". Kiran Kanakia

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

A Força de Um Minúsculo Gesto Vital

Enildes Corrêa 


          "A gente não se desfaz, não desfaz da vida nem dos que têm a vida."  
"Não se deixe ofender por uma ofensa. E, se você é mais forte que a pessoa que o ofendeu, mas que você ama, converse com ela e lhe dê conselhos."
  Hélio Corrêa da Costa

Recordo-me das palavras de meu pai: “Nós não devemos fazer nada em vão na vida”. Mas, quando não estamos na consciência plena dos nossos atos, quantas coisas fazemos em vão, não é mesmo? E quantas outras deixamos de fazer que assim jamais seriam, que exigiriam tão pouco de nós, às vezes, só estender a mão a alguém que necessita de uma pequena ajuda da nossa parte, o que estaria ao nosso pleno e fácil alcance. Mas, sem o coração aberto e a boa vontade para com o outro, muitos atos e gestos que fazem do homem um ser humano não são idealizados na mente das pessoas e muito menos acalentados no coração daqueles que se dizem “humanos”.

Não precisamos ir muito longe nem de grandes exemplos que constatam essa realidade. Comecemos pelos pequenos gestos do cotidiano. Muitas pessoas iniciam o dia com cumprimentos, que dão e recebem sem nenhuma gota de vitalidade ou afeto, um bom-dia, boa-tarde ou boa-noite dado de forma mecânica, “robotizada”, sem sequer olhar nos olhos de quem se cumprimenta. No decorrer do dia, deparamo-nos com pequenas e altas doses de grosserias, arrogância, prepotência, estupidez, indiferença e insensibilidade nas relações familiares, sociais e profissionais que dificultam e ferem uns aos outros.

Atualmente, reclamamos das incontáveis agressões para com o planeta, mas, dificilmente, reparamos nas agressões que fazemos, em maior ou menor grau, às pessoas que nos rodeiam e a nós mesmos.

O tempo todo transmitimos ou inibimos a vida. Gestos simples,  o jeito de olhar ou de falar com alguém, podem se transformar num carinho ou em agressão. Quando abrimos o coração para acolher e compreender uma pessoa que está à nossa frente, reforçamos  sua auto-estima, bem como a conexão com o seu entorno. Nesse caso, vemos a vida ser renovada e reforçada em cada encontro permeado pelo respeito, aceitação e acolhida. O contrário acontece se julgamos, menosprezamos e rejeitamos alguém – cortamos o outro em pedacinhos, muitas vezes, quase que imperceptíveis.  Lamentavelmente, a segunda opção é a mais comum no mundo em que vivemos, o qual colocou os valores que reafirmam a vida de cabeça para baixo.

Todavia, o homem não é uma ilha.  Osho nos diz:

Somos todos parte de uma única força vital – parte de uma única existência oceânica. Nas profundezas de nossas raízes, somos um só. Não importa quem você esteja ferindo, no final das contas você está ferindo a si mesmo... A não-violência resulta desta compreensão.

Não temos sido amigos de nós mesmos, que dirá amigos dos outros e do planeta... Essa lição básica de bem viver, as escolas não nos ensinam, nem as religiões. As palavras de Jesus: “Ama ao próximo como a ti mesmo” são repetidas com frequência pelos sacerdotes e por muitas outras pessoas, porém, sem que haja  compreensão da raiz do mal-entendido que impede a humanidade de colocar em prática esse ensinamento bíblico. 

Normalmente, o sentimento de amizade que se estende a tudo e a todos é construído por pessoas que tiveram a abertura, a disposição e a coragem de olhar para dentro de si, procuraram se compreender profundamente e conseguiram estabelecer uma amizade incondicional consigo próprias em primeiro lugar. Essa relação de intimidade e amizade conosco passa, necessariamente, por aceitarmos a nossa expressão por inteiro – em nível corporal, mental, emocional e espiritual. Olhar e aceitar, sem fazer escolhas, o nosso lado forte e o frágil, o que gostamos e o que não gostamos em nós mesmos. A internalização e a prática desse entendimento nos possibilitam manter o estado de equilíbrio e harmonia.  

Se estivermos reconciliados com as diversas faces da nossa expressão, quer seja a “bela” ou a “fera”, o relacionamento externo refletirá esse estado de harmonia. Se, por outro lado, estivermos em guerra conosco, em contínua autorrejeição, com constantes julgamentos e cobranças frequentemente  descabidos, em nível tanto do corpo como do ser, iremos projetar esse conflito também lá fora. Dessa forma, dificuldades, rejeições e incompreensões surgirão nas relações, em qualquer âmbito.

Aqui, cabem algumas palavras do místico sufi indiano, Kiran Kanakia: Esteja na vida como um estudante e não como um juiz”. Como sabemos, o juiz julga, enquanto o estudante não está interessado em julgamentos, quer apenas aprender.

É adotando a postura de estudante que nos abrimos para aprender a nos compreender, a nos acolher, a nos valorizar e, finalmente, a nos amar. A partir daí, ficará bem mais fácil conviver pacificamente com as demais pessoas.

Por conseguinte, uma mudança qualitativa nas nossas atitudes ocorre, perceptível desde a expressão facial. O nosso cumprimento, por exemplo, fica carregado de energia vital e preenchido pela intenção real de que a pessoa a quem nos dirigimos vivencie, de fato, o que as palavras procuram expressar.

Pessoas de bem consigo mesmas ficam de bem com a vida e espalham bem-estar e alegria ao seu redor. Tornam-se criativas, amorosas, compassivas. São tomadas pelo desejo de que a humanidade inteira seja feliz. O contrário também é verdadeiro: pessoas infelizes e que se rejeitam têm o impulso de maltratar e de destruir.

Finalizo com esta mensagem do Mestre Osho:

Um homem sério é incapaz de rir, é incapaz de dançar, é incapaz de brincar. Ele está sempre se controlando, tornou-se o seu próprio carcereiro. Deveríamos aprender a transformar nossas energias para que não fiquem reprimidas, para que sejam expressas através do nosso amor, da nossa risada, da nossa alegria.

ENILDES CORRÊA  - Terapeuta Corporal Ayurveda com formação e especialização na Índia. Ministra seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização do Atendimento ao Público. Autora do livro Vida em Palavras. 

VIDA EM PALAVRAS

O livro Vida em Palavras foi lançado em Brasília (DF), em novembro/2010,  no Senado Federal com o apoio da 2ª Vice-presidente da Mesa Diretora do Senado - biênio 2009/2010, senadora Serys Slhessarenko. 

Em dezembro/2010, Vida em Palavras foi lançado em Cuiabá na Assembléia Legislativa de Mato Grosso com o apoio da Sala da Mulher e do Instituto de Memória do Poder Legislativo. 

A publicação é composta de crônicas que versam sobre as vivências de uma buscadora espiritual na Índia, em contato com a tradição do Yoga, a meditação e os ensinamentos de uma sabedoria milenar, que se fazem presentes em todos os textos da autora.

O livro recebeu o Prefácio do jornalista Onofre Ribeiro, ex-Secretário de Comunicação do Estado de Mato Grosso, que sintetizou em sábias palavras a publicação e a escritora. “Escrever palavras e com elas construir sentido pras coisas é alquimia pura. (...) Ela [Enildes] fez alquimia com os seus textos e acabou por produzir reflexões alquímicas mais poderosas do que as simples palavras encarreiradas. (...) Ela desfila a sabedoria iniciática que lhe ensinaram os Mestres e Mestras com quem conviveu no Oriente. Página após página, Enildes associa a velha Cuiabá com a velha Índia e tece uma poderosa rede de alquimia humana, cultural e de sabedoria. Mesmo à distância, as duas pátrias se parecem tanto na exata simplicidade de suas origens.  Não é uma obra de filosofia nem religiosa. É de provocações que atingem esse novo viver diário do mundo moderno, tão atropelado pela urgência de ir e vir aos mesmos lugares de sempre, em busca de respostas que nunca estiveram fora de nós mesmos.  Enildes traduziu o viver como um gesto simples igual ao de estender um braço pra colher uma das mangas bourbons da sua doce Cuiabá”.

A compreensão do real significado de compartilhar deu origem aos textos desta coletânea. Vida em Palavras é uma coletânea de artigos publicados em jornais e sites de Mato Grosso e de outros Estados, desde 2001. 

Vida em Palavras apresenta entendimentos valiosos sobre a natureza da vida – interna e externa e oferece uma contribuição para a saúde mental e espiritual do ser humano. 

Vida em Palavras transmite mensagens de Seres Despertos como o indiano Kiran Kanakia e o mato-grossense Hélio Corrêa da Costa. Mensagens que se fazem tão necessárias pelo atual contexto em que vivemos. 

Aspirar a fragrância de Vida em Palavras guia o leitor do mundo externo para o mundo interno, criando uma ponte de entendimento entre ambos.

Enildes Corrêa é Administradora graduada pela UFMT. Terapeuta corporal Ayurveda e professora de Yoga, com formação e aperfeiçoamento na Índia, onde estudou e conviveu com conceituados Mestres indianos renomados internacionalmente. Morou na Índia e viaja para lá desde 1992. Ministra seminários e palestras vivenciais a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização da Convivência à Luz da Filosofia Oriental. 

Conceituada cronista de Mato Grosso, escreve para colunas de opinião de jornais e sites de Mato Grosso e de outros Estados, desde 2001.

Leia mais:
O livro "Vida em Palavras" é destaque na Semana Pensa Vida da Presidência da República
LANÇAMENTO DE VIDA EM PALAVRAS 
Senado Federal - Hall da Biblioteca Acadêmico Luiz Viana Filho - Brasília-DF - 16/11/2010
Apoio: 2ª Vice-presidente da Mesa Diretora do Senado, biênio 2009/2010, senadora Serys Slhessarenko 


A compreensão do real significado de compartilhar deu origem aos textos desta coletânea de crônicas.

Para Serys, o objetivo é incentivar a leitura, a publicação de livros voltados para temas diversos e mostrar o quanto a cultura cuiabana pode ser vasta. “Fico muito feliz em colocar uma escritora cuiabana para lançar um livro de nossa terra nas dependências do Senado. É uma forma de divulgar nossa cultura, nossos escritores e incentivar a leitura entre os cidadãos deste país”, afirmou a Senadora. (fonte: Jornal Conversa Pessoal - SERH do Senado Federal - nº 119)
Sou leitora dos artigos da Enildes e posso afirmar que Vida em Palavras oferece uma valiosa contribuição para a saúde mental e espiritual do ser humano, afirmou a senadora Serys durante a cerimônia de lançamento.  "Acompanhei a trajetória de Enildes ao Oriente e sua constante busca de qualidade e aperfeiçoamento em tudo que faz, bem como o aprofundamento do seu próprio autoconhecimento. Deixou uma carreira bem sucedida na área de Adminstração e iniciou, corajosamente, uma nova carreira na área de terapias orientais, o que a impulsionou a estudar na Índia, desde 1992, ou seja, são 18 anos de contato permanente com a cultura oriental".

Enildes agradeceu o apoio da senadora Serys e de toda sua equipe, entre eles, os queridos amigos de Cuiabá: Alrian Barros, Alexandre Santos e Beto Dock. 
Entrevista para a Rádio Senado
                                          A TV Senado fez a cobertura do evento



Depoimento de Dr. Ademar Veiga sobre o texto ''Ondas verdes de Cuiabá: "Diferente quando se percebe a natureza com os olhos do coração. O texto mostra a visão de um lugar por alguém que é capaz de ver com um pouco da sensibilidade do Criador."
Enildes Corrêa e o Ministro Gilberto Carvalho

O livro "Vida em Palavras" é destaque na Semana Pensa Vida da Presidência da República

Enildes Corrêa e os Embaixadores: Ashok Tomar, Embaixador da Índia no Brasil e Hardeep Puri, ex- Representante Permanente da Índia nas Nações Unidas. Embaixador Hardeep Puri já foi também Embaixador da Índia no Brasil.

Evento: Seminário "Índia e Brasil: uma parceria para o Século XXI"
Local: Palácio Itamaraty, Brasília-DF.  
LANÇAMENTO DE VIDA EM PALAVRAS EM CUIABÁ   Assembléia Legislativa de Mato Grosso
em: 15/12/2010
Apoio:  Sala da Mulher e Instituto de Memória do Poder Legislativo


Palavras do jornalista Onofre Ribeiro, ex-Secretário de Comunicação de Mato Grosso, que prefaciou Vida em Palavras:
 “Não é livro pra se ler numa sentada só. Aliás, os textos separados, nem todos também podem ser lidos de um fôlego.  No meio, é preciso respirar e compreender que a alquimia pede reflexões sucessivas. Não é uma obra de filosofia nem religiosa. É de provocações que atingem esse nosso viver diário do mundo moderno, tão atropelado pela urgência de ir e vir aos mesmos lugares de sempre, em busca de respostas que nunca estiveram fora de nós mesmos”.






 































RELAXE SUA RESPIRAÇÃO


“A respiração é sua maior amiga. Volte-se para ela em todos os momentos de preocupação e encontrará conforto, orientação e direção”. (Mestre oriental)

   REEDUCAÇÃO EM RESPIRAÇÃO

      RELAXE SUA RESPIRAÇÃO

         AULAS E WORKSHOPS

Respiração como Ferramenta Terapêutica para o Autogerenciamento do Estresse     


. Promoção da saúde (física, mental e espiritual)
. Melhoria da qualidade de vida 
. Aprofundar o autoconhecimento


Relaxar a respiração acalma o sistema nervoso e tranquiliza a mente 

A linha terapêutica deste trabalho está fundamentada na abordagem do renomado Yogacharya Dr. Mukund Bhole, médico indiano e uma das maiores autoridades de Yoga da atualidade. Esta abordagem tem como prioridade a experiência da própria respiração, compreender a mecânica da respiração normal e da voluntária, para então, corrigir o mecanismo de ambas, caso estejam perturbadas ou erradas. 

Uma vivência dirigida a todo indivíduo interessado em cuidados naturais com a saúde, em ampliar o contato interno e o conforto consigo mesmo. Através da respiração muitas tensões são liberadas. Dessa forma, é especialmente recomendado para reduzir, aliviar e prevenir o estresse e sintomas decorrentes como a ansiedade.  Como podemos observar a nós mesmos por meio do corpo, da respiração e assim conectar-nos com o estado natural de equilíbrio e harmonia interior. 


CARGA HORÁRIA:  a partir de 02 horas

FACILITADORA: ENILDES CORRÊA 

Terapeuta Corporal Ayurveda e professora de Yoga com formação e aperfeiçoamento na Índia, país para onde viaja desde 1992. Tem estudado e convivido diretamente com conceituados Mestres indianos, renomados internacionalmente, entre os quais, o Yogacharya Dr. Mukund Bhole. Formação em diversas técnicas terapêuticas de abordagem corporal holística. Ministra palestras, cursos e seminários vivenciais na área de Qualidade de Vida e Humanização da Convivência para a comunidade em geral e a organizações governamentais e privadas. 

MAIS INFORMAÇÕES: 


WORKSHOP VIVENCIAL


  TOQUE TERAPÊUTICO  RELAXAMENTO       RESPIRAÇÃO   MEDITAÇÃO

O estilo de vida moderno tem distanciado o ser humano do seu estado natural de equilíbrio e harmonia, fazendo-o perder contato com as suas raízes, com a sua parte mais profunda, causando como conseqüência, distúrbios e sofrimentos em nível físico, mental e espiritual.

Esta vivência propicia ao participante um momento de parada, de interiorização, relaxamento, compreensão e prática da comunicação não verbal consigo mesmo e com o outro, que abre espaço para relações mais harmônicas e pacíficas, quer sejam no ambiente familiar, social ou profissional.


A proposta é experienciar técnicas terapêuticas corporais, conectar com o espaço interior, descobrir as possibilidades de paz e nutrição escondidas em cada parte do corpo tensionada, adormecida e, por vezes, em dor, liberando tensões musculares, emocionais, mentais e bloqueios dos centros vitais de energia.

CARGA HORÁRIA:  a partir de 03 horas


FACILITADORA:  ENILDES CORRÊA                           

Administradora e Terapeuta Corporal. Profª. de Yoga e Reiki Master. Formação e aperfeiçoamento na Índia. Possui larga experiência com diversas terapias de abordagem corporal holística, entre as quais, diferentes técnicas de terapias manuais: Yoga Massagem Ayurvpedica Tradicional,  Reiki, Prana Healing, Chakra Healing, Harmonização do corpo sutil. Desde 1992, viaja constantemente à Índia para aprofundar seus estudos e prática das terapias indianas. Estudou diretamente com conceituados Mestres indianos, renomados internacionalmente. Ministra palestras e seminários vivenciais para a comunidade em geral e a organizações governamentais e privadas. Autora do livro Vida em Palavras – coletânea de crônicas.



Mais informações: solautoconhecimento@gmail.com                  

Para contratar este workshop e/ou palestra para sua empresa ou organizar o evento em sua cidade, entre em contato conosco.


Acesse os links abaixo e obtenha mais informações sobre os conteúdos do workshop:

RELAXE SUA RESPIRAÇÃO

A ARTE DE CURA PELAS MÃOS