PALESTRA PAZ NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Contrate uma de nossas palestras e conheça o nosso diferencial.

RESPIRE MELHOR: RELAXE SUA RESPIRAÇÃO - Workshop Vivencial

"A respiração é sua maior amiga. Volte-se para ela em todos os momentos de preocupação e encontrará conforto, orientação e direção." (Mestre oriental)

O livro "Vida em Palavras" pode ser adquirido nas principais livrarias de Cuiabá ou através de contato com a escritora.

Contrate nossos serviços prestados na área de Qualidade de Vida, Motivação, Humanização do Atendimento ao Público, Humanização da Convivência e Fortalecimento do Espírito de Equipe - Contato: (65)9951-5060 / 8147-4773 E-mail: solautoconhecimento@gmail.com

sábado, 24 de março de 2012

Encontro com Manoel de Barros

por Enildes Corrêa


desenho: Manoel de Barros
"Sou livre para o silêncio das formas e das cores.

Só quem está em estado de palavra pode enxergar as coisas sem feitio. 

A poesia não existe para comunicar, mas para comungar.
A palavra é o nascedouro que acaba compondo a gente. 

A palavra amor anda vazia. Não tem gente dentro dela
Melhor ser as coisas do que entendê-las.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro. Para mim poderoso é aquele que descobre as Insignificâncias (do mundo e as nossas)."     
                                                        Manoel de Barros                                                                                                                                      
Assisti mais uma ver ao excelente documentário “Só dez por cento é mentira - a desbiografia oficial de Manoel de Barros”, do diretor Pedro Cezar. Foi inevitável reavivar em mim o desejo antigo de conhecer pessoalmente o poeta nascido à beira das águas do rio Cuiabá, reconhecido nacional e internacionalmente pela originalidade, artesania e mestria de sua obra literária. 

Paz e guerra interior: quem está olhando para isso?


por Enildes Corrêa                                                                                      
"Se você quiser relaxar, seja amigo de si mesmo. Chega de ódio. Por que nós nos odiamos sem entender? Em que erramos? Se entendermos em que fomos errados, será muito fácil entender o que traz a correção."   
"Entenda como viver, como estar em harmonia, como estar em equilíbrio, como estar em sintonia. Uma vez que você compreende como estar em sintonia, a vida se torna uma dança." 
Kiran Kanakia  
É preocupante a onda de violência dos dias atuais, principalmente nos centros urbanos. A população sente-se amedrontada e cobra das autoridades competentes soluções urgentes que resolvam os problemas de segurança pública e possam restabelecer, imediatamente, a ordem um tanto quanto ameaçada. Enquanto isso, bem poucos assumem a responsabilidade individual pela criação de uma sociedade mais saudável e pacífica. 

A conclusão à que se chega, após uma análise do contexto atual, é de que a sociedade, de forma geral, está doente. A explosão já sem controle da violência, bem como a degradação do meio ambiente, revelam essa verdade incontestável por quem quer que seja. Criticamos os políticos pelo descompromisso com a questão social, ambiental, com a segurança, entre outras, mas, por outro lado, eles são reflexo dessa nossa sociedade desestruturada e desamorosa, que tem apresentado um perfil muito mais de inimiga do que de amiga da vida. 

quarta-feira, 21 de março de 2012

É preciso equilibrar o ser humano

por Enildes Corrêa 

A vida é mudança e movimento. Não há nada permanente na vida. Se há, o tempo todo, alguma coisa mudando e se movendo, não existe perfeição. Existe movimento. Existe mudança. Essa é a natureza da vida, a qual é insegura, incerta e tem um futuro desconhecido.  
Volte para a realidade. Volte para o fluxo da vida, aceite-se como você é. Aceite a vida ao seu redor. Aceite o que você tem e verá que a transformação acontece.
E, agora, é esta a demanda deste tempo: que nós nos tornemos amigos uns dos outros. Você tem que se tornar amigo de si mesmo. Aceite-se com amor do jeito que você é. Somos todos seres humanos expressando a vida de forma una. Compreenda a sua unicidade e aceite-a. A vida sabe o propósito pelo qual lhe deu essa unicidade. Não há nada de errado em seu ser, não há nada imperfeito em nenhum lugar. Diga SIM para você mesmo, e você ficará em harmonia no seu interior.                                                                                                                                                                        Kiran Kanakia
imagem: Google

Atualmente, acompanhamos com certa apreensão as notícias e os acontecimentos referentes às mudanças climáticas em nosso planeta, em função do aquecimento global. Previsões de colapsos ambientais, que há algum tempo ficavam apenas nas esferas esotéricas, agora, são discutidas por cientistas e políticos em fóruns internacionais. 

As atividades humanas – sem levar em consideração que a Terra é um organismo vivo e, como tal, ressente-se das agressões que lhe são feitas – estão levando a um desequilíbrio na natureza sem precedentes, que coloca em risco a sobrevivência de inúmeras espécies, incluindo o próprio homem, agente desse distúrbio.

Saree – Um Poema no Corpo

por Enildes Corrêa              


Uma, entre tantas agradáveis lembranças que guardo da Índia, é quando eu vestia saree - roupa tradicional feminina indiana com 5,5 a 6 metros de tecido. Os tecidos indianos são famosos pela beleza, e encantaram-me desde o primeiro olhar. Entrar nas lojas de tecidos proporcionava-me um momento único! Ficava simplesmente embevecida com a riqueza da criatividade da mesclagem de cores e desenhos das tecelagens. Há tecidos tão trabalhados, que se tornam verdadeiras obras de arte. 

As cerimônias de casamento também são excelentes oportunidades para testemunharmos cenas que parecem sair diretamente do conto das mil e uma noites. As roupas exóticas e belíssimas, os ornamentos, a decoração do ambiente, entre outras coisas, levavam-me a quase não acreditar no que os meus olhos viam. 

domingo, 18 de março de 2012

Una Noite Vienense no Oriente

por Enildes Corrêa
"Entenda como viver, como estar em harmonia, como estar em equilíbrio, como estar em sintonia. Uma vez que você compreende como estar em sintonia, a vida se torna uma dança." Kiran Kanakia



"A vida é uma dança! Se você está saindo da dança, é por sua conta. A vida lhe dá a liberdade de estar no ritmo da dança ou de sair do ritmo. A escolha é sua. Se você sair da dança, claro que vai se sentir mal recebido em todo lugar. A verdade pura e simples é que você não está em harmonia com o Todo – é uma decisão sua. O Todo está sempre pronto para lhe dar as boas-vindas; o Todo se importa com você." Osho       

Tive o prazer de assistir em Brasília a apresentação da Orquestra Johann Strauss Capelle de Viena. Um concerto que me emocionou e reavivou a lembrança de uma certa noite no Oriente, no ashram do Mestre Osho, em Poona. 

quinta-feira, 15 de março de 2012

Lembranças de Cuiabá

por Enildes Corrêa 

Às vezes sinto saudade da Cuiabá de antes, do meu tempo de adolescência. Era mais fácil encontrar as pessoas que queríamos ver. Havia um ou dois bares aonde todo mundo ia e onde todos se encontravam.

Hoje, a cidade cresceu, os bares e lugares de lazer se multiplicaram e a distância entre as pessoas também.


sexta-feira, 9 de março de 2012

Este vídeo foi um presente recebido da amiga Garcita,  acompanhado destas palavras:


Na grande maioria das vezes, esquecemos de como somos abençoados por estarmos aqui, agora...

 Eu assisti e compartilho a beleza e a verdade desta mensagem.

http://youtu.be/prO85LDlvEA

quinta-feira, 8 de março de 2012

A Mulher, o espelho e o reflexo

por Enildes Corrêa 

“A Beleza lhe dá o toque de alegria. Algo toca você naquela fonte. Algo leva você além da mente. Isso é a expressão da Existência.  Isso é beleza”.  Kiran Kanakia  
                          
O tempo passou, a idade avançou e é como se eu tivesse atravessado a fronteira do tempo, entre a juventude e a maturidade, quase sem me dar conta. Agora é mais fácil entender os idosos quando dizem que o tempo passa tão rápido.

Na idade da maturidade, a relação com a vida mudou. Com o espelho também. Agora, diante do espelho, percebo-me de forma diferente: uma expressão com a sua própria unicidade, a qual não rotulo mais de bonita ou feia, como antes. Aos poucos, vou me desapegando da imagem física. Afinal, nós não somos o corpo. Questiono-me acerca do mistério da alma contido nas camadas profundas do corpo. Quem é esse Ser em sua totalidade? Ser que o corpo cobre e testemunha tudo o que lhe acontece! Quem olha através dos meus olhos para o espelho? Quais as faces que permanecem desconhecidas dentro de mim e que ainda poderão ser reveladas?

Faço uma  retrospectiva e vejo meu corpo como um palco no  qual transcorreram  cenas de lutas com vitórias e derrotas, resistências e entregas, atos de bravura e fraqueza, encontros e desencontros,  risos e prantos, gritos e silêncios, amargores e êxtases. Cenas que não tiveram ensaios prévios, acontecimentos que me propiciaram vivências marcantes e muita gratidão por tudo que me remeteu para dentro de mim, levando-me a buscar o encontro comigo mesma, sem o qual é impossível o nosso encontro com o Todo.

Experiências vivenciadas neste corpo me foram desamarrando, libertando de ilusões, bloqueios e de muitos apegos, dando-me a impressão de ter vivido mais de uma encarnação num único corpo. Quantas transformações! Em contraste com a experiência adquirida, dentro há uma jovialidade que transcende tempo e forma. É como se houvesse em  mim várias mulheres de idades diferentes – de criança a anciã. E uma disposição para confiar na vida que o imergir em mim mesma, através do tempo, fez acontecer.   

A dedicação ao autoconhecimento me abriu um espaço de profunda intiminade e compreensão do mundo interno, o que me tem permitido lidar com as mudanças físicas de um modo mais natural, apesar, é claro, de o espelho testemunhar alguns conflitos e contradições, naturais a toda fase de transição, em especial, para a mulher. Quando entramos no nosso  interior, entendemos melhor a relação entre corpo, mente e energia. Não nos tornamos presas fáceis dos desejos e das loucas demandas da mente, bem como das exigências desta sociedade de consumo que cultua a imagem do corpo de forma exacerbada, tornando-se uma insanidade.

Nesta nova experiência com o corpo, o espelho e o reflexo, chegam-me as palavras do querido amigo, Dr. Paraná de Oliveira, o qual deixou o corpo aos 89 anos: 
Ter o senso de beleza mais desenvolvido é uma qualidade excepcional. Não é qualquer um que a tem. A beleza física não tem muito mérito, é transitória, passageira.
A beleza interior é permanente, porém, mais difícil de encontrar e atrai a simpatia das pessoas. Ela é obra pessoal do titular. O titular a constrói.
E para aqueles que gozam da beleza interior, o corpo pode não ser tão bonito, mas sempre se descobre um ângulo que o favoreça, mesmo com a idade. É como o fotógrafo que concebe o ângulo mais bonito da mulher para fotografá-la e termina descobrindo aquele que a deixa mais bela.
Durante uma reunião com Kiran Kanakia na Índia, alguém lhe perguntou como aprender a permanecer em harmonia com o corpo quando este vai envelhecendo. Eis parte de sua mensagem:
Envelhecer é um fenômeno biológico natural ao corpo. Compreenda o corpo, as suas demandas, o que e o quanto ele necessita neste momento. Ouça-o. Esta compreensão da linguagem e da situação do corpo o mantém em harmonia. Uma vez que você está em harmonia com o corpo, há uma beleza natural nele com a idade também. Não há nada errado em aceitar que o corpo está ficando velho. Aceite isso. Uma vez que você aceita, não vai forçar o corpo a se tornar jovem. Há uma aceitação harmoniosa do envelhecimento.
Não há beleza somente nas pessoas jovens. Há beleza nas pessoas idosas também. Beleza é a harmonia que está no corpo. Não é a forma do nariz, dos olhos, do rosto, do corpo. Beleza não está na idade, está na harmonia. Harmonia é beleza. Uma vez que você vai entrando em harmonia com a vida, há uma beleza interior que se ressalta. Se você permanece em harmonia, há uma beleza natural e fica livre de todo esse medo de envelhecer.
À medida que o tempo passa, dou-me conta de que a melhor fase é aquela em que nos inserimos na vida com totalidade e consciência. Desse modo, permanecemos no aqui e agora, onde aspiramos o perfume da sagrada comunhão com a Existência. Vivendo a idade da maturidade, constato haver certos frutos que, normalmente, só podem ser colhidos a partir desta época. E descubro que, em qualquer idade, é possível revelar o nosso melhor ângulo, mesmo diante do espelho.

Dou graças à Vida por tomar consciência de que, dentro do corpo, há aquela parte que não envelhece, que nunca morre e não se apega nem se identifica com nenhum reflexo. Agradeço a Deus a paz, a harmonia, a beleza e por  que não?  O Mistério de cada dia.    

 ENILDES CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal Ayurveda. Autora do livro Vida em Palavras – coletânea de crônicas. Ministra palestras e seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização da Convivência.  

Susheela – Uma Mulher de Coração Bonito

por Enildes Corrêa

Susheela nasceu na Índia e seu nome em sânscrito, a língua mais antiga da Índia, significa “mulher de coração bonito; aquela que possui as qualidades de uma mulher perfeita, nascida dotada de beleza física, emocional e espiritual”. Conheci essa linda e amada anciã em Poona, cidade onde morava, através de sua filha, a Mestra Kusum Modak, que criou o conceituado método terapêutico corporal Yoga Massagem Ayurvédica Tradicional.

Esse metódo, o qual uniu Ayurveda e alongamentos do Yoga tem ajudado milhares de pessoas no mundo todo.  Tornou-se famoso pela sua eficácia, transcendeu as fronteiras do corpo e também da Índia e obteve reconhecimento internacional. Vi Kusum trabalhar inúmeras vezes em atendimentos individuais e em seus cursos e emocionei-me profundamente por sentir a forte presença do divino nas suas mãos, nos seus pés, no seu Ser (em Yoga Massagem Ayurvédica usam-se os pés para dar mais pressão ao corpo). Depois que conheci e convivi um pouco mais com Susheela, reconheci em Kusum a força e a beleza da sagrada herança de sua mãe.

Em 2003, ao retornar à Índia mais uma vez para ampliar os meus conhecimentos de Ayurvédica e Yoga, entre outras coisas, tive uma grande e constrangedora surpresa. Ao rever os meus amigos indianos, parecia que o tempo havia passado só para mim e parado para eles. Boquiaberta, perguntava-me: como aquilo era possível? Que fenômeno era aquele que fazia com que as pessoas envelhecessem muito mais lentamente do que por aqui? É certo que a massagem, a prática de Yoga com os pranayamas (práticas respiratórias) e meditação rejuvenescem, porém havia algo mais. Será que o tempo no Oriente fluía em uma dimensão diferente? Afinal, lá, o ritmo de tudo é bastante singular. Ou seria o tipo de alimentação indiana, basicamente vegetariana e  temperada pelas suas famosas iguarias? Comecei a me fazer essas e outras perguntas.

Ao rever Susheela Modak, fiquei ainda mais intrigada. Achei-a mais jovem e mais bonita. Seu rosto, de expressão serena e firme, irradiava vida através de seus olhos brilhantes e tranquilos. Constatei  que ela vivia em paz, de bem consigo e com o seu entorno. Estou certa de que esse é o segredo maior do elixir da juventude e da verdadeira beleza: viver de bem com a vida e  total entrega nas mãos da Existência. Era visível que Susheela e a sua filha Kusum viviam em estado de harmonia.

Susheela fazia jus ao significado do seu nome – aos 93 anos, continuava bonita. Conservou o corpo forte e flexível e expressava uma beleza além da forma e do tempo. Uma das coisas que gostava de fazer era cozinhar – para ela, era um momento de meditação e este seu fazer uma oferenda a Deus. Ao observá-la movimentar-se na sua casa, achei incrível sua destreza! Não resisti à vontade de fotografá-la e lhe pedi permissão para isso.

Naquela casa do outro lado do mundo, tão distante da minha terra natal, senti-me parte daquela amorosa família indiana pela maneira extremamente carinhosa e acolhedora como mãe e filha me recebiam.  Estar com elas naquela intimidade familiar dava-me a sensação de estar dentro de um útero de amor, o útero da Grande Mãe. Em cada visita que fiz àquele abençoado lar, fui envolvida num overflowing de amor, que teve uma força de cura muito especial em mim. No fim, o amor é a nossa maior necessidade. Tive a bênção de orar e meditar junto com mãe e filha, nas quais reconheço e reverencio a presença do divino. 

E, na celebração do Dia Internacional da Mulher, presto minha homenagem a todas as mulheres, em especial àquelas que, como Susheela – uma mulher de coração bonito –, exalam a fragrância do amor e da harmonia em suas existências, missão maior na vida de todo ser humano.

Essa fragrância acompanhará Susheela por onde ela passar, esteja na forma ou na não-forma. Susheela Modak fez sua travessia para a Eternidade em 2004, aos 93 anos,  porém alguém como essa linda e adorável anciã indiana permanecerá sempre presente nos corações de todos aqueles que tiveram a oportunidade de conhecê-la e de se encantar com ela, como esta cuiabana.  

 ENILDES CORRÊA – Administradora, terapeuta corporal Ayurveda e professora de Yoga. Autora do livro Vida em Palavras. 

quinta-feira, 1 de março de 2012

O Caminho da Humanização

por Enildes Corrêa - omsaraas@terra.com.br                                                 

“A pessoa ignorante é alguém que vai ignorando alguma coisa essencial. Ela é ignorante porque está ignorando a coisa mais fundamental na vida: ela está ignorando a si mesma. Ela está se mantendo ocupada com o não essencial. Perdeu a trilha do próprio eu. Esqueceu-se da sua realidade e tornou-se um com alguma coisa que ela não é”.  Osho
imagem: Google
Atualmente, muito se tem falado na necessidade de humanizar as organizações e a sociedade de modo geral.  Humanizar quer dizer: elevar à altura do homem.  Relativo ao homem: o corpo humano; a espécie humana. Sensível à piedade, compassivo: mostrar-se humano com seus semelhantes.

A lógica nos faz raciocinar que se é necessário humanizar, significa que algo está em desacordo com a natureza que nos qualifica como seres humanos. Então, há que se olhar e investigar na direção daquilo que está em oposição à condição essencial que nos caracteriza como Gente.  Desse modo, as pessoas devem ser o centro de atenção de qualquer processo de humanização.

A humanização requer uma abordagem ampla e sensível. Fazem-se necessárias profundas mudanças na vida das instituições: valores, cultura, postura etc. As instituições são feitas de pessoas e as mudanças reais e consistentes acontecem somente e tão somente, quando elas mudam. Mudar os procedimentos externos e administrativos sem que haja mudança de mentalidade dos indivíduos que as compõem produzirão apenas alterações superficiais. 

Ao olhar e testemunhar fatos que revelam comportamentos desumanizados, ou seja, sem amizade e compaixão pelo próximo e por outras espécies de vida, em maior ou menor grau, onde quer que se apresentem, deparamo-nos com suas principais causas: a ignorância, a insensibilidade, o egoísmo e a ganância presentes na mente do homem. Essa miséria interior é tão triste quanto a exterior. Lamentavelmente, poucos a veem ou se dão conta da sua existência em si mesmos, o que impossibilita um processo de autoconhecimento e transformação.

Quantas vezes já nos fizemos esta pergunta: como é possível, por exemplo, os líderes políticos não se comoverem com as condições de vida crueis e desiguais para a espécie humana? Eles salvam bancos, grandes empresas, mas não se empenham em salvar vidas em colapso. Mais de 1 bilhão de pessoas passam fome no mundo. O homem foi à Lua, mas não cuidou da eliminação da fome no planeta em que vive....

Aqueles que agem de modo insensível e desamoroso revelam que em algum ponto de suas vidas, cortaram os laços e a conexão com o sagrado mundo interior. Por isso, a expressão que nos é muito comum ouvir: “falta alma àquela pessoa”.  A ignorância faz as pessoas se distanciarem da sua melhor parte e cometerem atos indignos e impróprios à condição humana; o melhor seria dizer:  a nossa condição e natureza Divina.

Tudo é resultado da ação do homem no ambiente em que vive, seja a ordem ou o caos.  Então, como podemos falar em ações humanizadas sem passar, necessariamente, pela condição da qualidade de ser de cada indivíduo? Todavia, há resistências na aceitação dessa verdade.

Se o egoísmo, a ganância e o apego ao poder fossem dissolvidos e brotassem no coração da maioria dos seres humanos o sentimento de amizade, a vontade de cooperar, o espírito de solidariedade e fraternidade, seguramente, não precisaríamos presenciar, em nenhum lugar, cenas desumanas que chocam os nossos olhos, as quais humilham e sacrificam os nossos semelhantes.

O caminho da humanização, em seu aspecto mais amplo e nobre, passa pela sensibilização, valorização e pelo redespertar de todos nós para a vida. Só o ser sensível, consciente, fraterno, compassivo, de fato conectado com a vida (interna e externa), poderá agir com humanidade e amor em seu coração. 


Dessa forma, espontaneamente, nossos atos serão pautados pela ética, pelo respeito e consideração por nós mesmos, pelo próximo e pelo meio em que vivemos. Nesse sentido, seria mais apropriado falarmos em divinização ao invés de humanização.  O Amor manifestado em nossos corações faz de todos nós um Templo de Deus. 

Neste momento, como disse um amigo, a humanidade pede socorro, pois a desumanidade dos “humanos” está colocando em risco a vida sustentável na Terra. Seria de grande valia se todos compreendessem que no campo da energia somos um só, que não existe separação na nossa expressão mais sutil. O homem não é uma ilha. O Mestre Osho nos diz: “Somos todos parte de uma única força vital – parte de uma única existência oceânica.  Nas profundezas de nossas raízes somos um só. Não importa quem você esteja ferindo, no final das contas você está ferindo a si mesmo... A não violência resulta desta compreensão.”

ENILDES CORRÊA é Administradora, terapeuta orporal Ayurveda e professora de Yoga. Ministra seminários vivenciais de Humanização da Convivência a organizações governamentais e privadas. Autora do livro Vida em Palavras.