PALESTRA PAZ NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Contrate uma de nossas palestras e conheça o nosso diferencial.

RESPIRE MELHOR: RELAXE SUA RESPIRAÇÃO - Workshop Vivencial

"A respiração é sua maior amiga. Volte-se para ela em todos os momentos de preocupação e encontrará conforto, orientação e direção." (Mestre oriental)

O livro "Vida em Palavras" pode ser adquirido nas principais livrarias de Cuiabá ou através de contato com a escritora.

Contrate nossos serviços prestados na área de Qualidade de Vida, Motivação, Humanização do Atendimento ao Público, Humanização da Convivência e Fortalecimento do Espírito de Equipe - Contato: (65)9951-5060 / 8147-4773 E-mail: solautoconhecimento@gmail.com

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Workshop Vivencial - CAMINHADA INTERIOR

Uma vivência a todos que queiram relacionar-se consigo mesmos com mais compreensão e amizade. Um convite para navegarmos e dinamizarmos o nosso universo interior.   

 DATA:  10 a 12/fevereiro/2012
"Uma vez que você está estabelecido no seu ser, você está estabelecido no Todo, porque seu ser é parte do Todo. E o ser está disponível neste instante, agora mesmo, se você se move para dentro. Apenas um olhar é necessário". Osho
"Bem-aventurança, felicidade é nosso estado natural. Não é algo que você tem que encontrar. Você tem que abrir os seus olhos. Nunca lute com a escuridão, porque, com os olhos fechados, há escuridão. Faça alguma coisa com os olhos". Kiran Kanakia

  
Inscreva-se e reserve já a sua vaga!

* Leia depoimentos de pessoas que já participaram de seminários e palestras    vivenciais com Enildes Corrêa: http://solautoconhecimento.blogspot.com/p/mensagens.html

domingo, 22 de janeiro de 2012

Amizade Interior

Enildes Corrêa
"No momento em que você começa a se amar, a se aceitar, esta mente que se apresenta como inimiga começa a ficar sua amiga. Quando você se aceita, essa transformação acontece por si mesma e a mente começa a ficar silenciosa, naturalmente". Kiran Kanakia 
"Agora, é esta a demanda deste tempo: que nós nos tornemos amigos uns dos outros. Você tem que se tornar amigo de si mesmo. Somos todos seres humanos expressando a vida naquela unicidade. Compreenda a sua unicidade e aceite-a. A vida sabe o propósito porque lhe deu essa unicidade. Não há nada de errado no seu ser, não há nada imperfeito em nenhum lugar. Diga SIM para você mesmo. Então, você fica em harmonia dentro de si". Kiran Kanakia

Cada choque que temos nas nossas relações oferece  uma oportunidade ímpar para olharmos para nós mesmos e investigarmos as raízes internas do mal-entendido externo. A desarmonia nos nossos relacionamentos pode estar refletindo uma parte nossa que não aceitamos e que está em desequilíbrio.  

Ao invés de esperar e cobrar mudanças de comportamento da parte dos outros, seria bem mais inteligente e edificante se o ser humano colocasse essa energia a seu serviço,  direcionando-a para dentro de si, à procura de se observar e se conhecer melhor. Conflitos intensos e perturbadores surgem quando um quer mudar o outro, sem antes olhar e investigar o próprio comportamento. 

Temos que admitir que mal-entendidos podem ocorrer quando as pessoas têm um convívio mais estreito, principalmente, se levarmos em conta que a maioria das pessoas anda em descompasso consigo mesma e, consequentemente, com os outros. Além disso,  precisamos  entender que  cada indivíduo  tem sua natureza própria e única. Ninguém é igual, não somos cópias uns dos outros.

Num único dia,  frequentemente,  passamos por humores diferentes de acordo com os acontecimentos e as situações vivenciadas.  E mais,  não temos o poder de mudar o outro, seja este quem for: o filho, o cônjuge, o chefe, o pai, a mãe, o amigo etc. No máximo, podemos mudar a nós mesmos. E ainda assim, não mudamos a nossa natureza, mas apenas o nosso entendimento, o que possibilita transformar o nosso olhar e o nosso modo de agir. A natureza de cada expressão é dada pela Vida com um determinado propósito, que nós não sabemos qual é, mas nos cabe compreender e respeitar a unicidade de todo indivíduo. E o primeiro passo nessa direção é dentro de nós mesmos.
  
Se estivermos mais familiarizados e em paz conosco, a convivência familiar e social terá chances de  ser mais harmônica, de fato, saudável e fraterna, uma vez que não projetaremos lá fora a nossa briga e confusão internas. Se a nossa visão está clara, torna-se mais fácil distinguir o que é conteúdo nosso e o que é do outro. Assim, tampouco vamos nos prestar a sermos depósitos do lixo emocional das pessoas com quem convivemos. Podemos escolher deixar o lixo que não nos pertence fora da nossa casa, sem que nos cause transtornos e distúrbios mais sérios, em nível físico, mental ou espiritual.  

É bom ressaltar que, mesmo que o mundo lá fora nos rejeite, temos sempre a sagrada opção de nos aceitar e nos acolher com amor e confiança. E esse ombro amigo que oferecemos a nós mesmos opera verdadeiros milagres! Nessa guinada para dentro do espaço interior, guiados por um sentimento profundo de autoaceitação de qualquer face nossa, observando-nos silenciosamente, sem julgamentos, muitos condicionamentos, reações e amarras se dissolvem. Nesse simples passo, mudanças significativas acontecem naturalmente, sem esforço.
  
O combustível para qualquer transformação pessoal é a compreensão e o amor. Relacionarmo-nos de forma harmônica conosco e com as pessoas é uma arte que exige um exercício constante de boa vontade, entendimento e amizade, a curto, médio e longo prazo. Nem sempre é fácil, mas é possível, se não impusermos a nós e aos outros cobranças absurdas e mudanças bruscas e imediatas. As mudanças consistentes não acontecem da noite para o dia, nem pela imposição de quem quer que seja.   
  
Que todos nós sejamos vitoriosos na conquista desta fortuna para as nossas vidas: a capacidade de sermos amigos sinceros de nós mesmos, amigos incondicionais, seja nos momentos de alegria ou tristeza,  saúde ou doença, sucesso ou fracasso. Só então, saberemos o que é  amizade de verdade, como também, o sentimento de unidade que nos irmana e nos liga a tudo e a todos no Universo.     

Que possamos conviver conosco e com os outros com menos julgamentos, preconceitos, intolerância e mais afeto, respeito, paciência, compreensão e, sobretudo, muita compaixão pelos limites de cada um, pelas falhas que temos dificuldades em aceitar (dentro e fora). Isso é um pacto de  paz, amizade e tolerância conosco e com as pessoas com quem a Existência nos faz conviver, seja por um momento, por um dia ou pela vida inteira.

ENILDES CORRÊA é graduada em Administração. Terapeuta Corporal Ayurveda com formação e especialização na Índia. Ministra seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização da Convivência. Autora de Vida em Palavras – coletânea de crônicas.  E-mail:  omsaraas@terra.com.br

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Autoconhecimento - Caminho para o Amor

por Enildes Corrêa
 "Acorde para o tesouro que há dentro de você. Não fique chorando, não se inferiorize. Comece a se amar. Aceite-se do jeito que você é. Cada um é uma criação única. Não há cópia em nenhum lugar. Não entre na loucura da mente do tornar-se. Não se odeie. Apenas volte para casa. Você verá que a transformação começa a acontecer."        Kiran Kanakia
"Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, desperta." Carl Gustav Jung
"Se não consegues entender que o céu deve estar dentro de ti, é inútil buscá-lo acima das nuvens e ao lado das estrelas."       Charles Chaplin
Faz parte da natureza humana a busca do amor. Queremos ser aceitos, compreendidos, ser amados, enfim. Queremos sentir o calor humano, sem o qual é quase impossível sobrevivermos saudavelmente. O engano, porém, é concentrar essa busca de afeto somente fora de nós mesmos, o que faz prevalecer um constante desassossego interno. 
Ao tomar consciência dessa intranquilidade, uns vão procurar se olhar e se compreender melhor através da busca do autoconhecimento e da interioridade. Optam por dar um mergulho nas profundezas do seu Ser, para emergir com mais paz, amor e sabedoria.
Outros, na ânsia de serem aceitos e amados, entram em caminhos distorcidos, feitos de atalhos, cheios de ilusões. E, quanto mais caminham, mais distantes ficam do que  buscam. Fogem do sentir a si mesmos, da verdade de suas vidas, através do sexo, da conquista do poder, do dinheiro, do status social, bem como do uso do álcool e de outras drogas.

Há, também, um outro tipo de amortecimento muito comum: a fuga da realidade através do fazer, do trabalho. As pessoas se mantêm muito ocupadas, fazendo algo o tempo inteiro, mesmo que o corpo não aguente. Tornam-se workholics. Ao parar, vão entrar em contato com as emoções e sentimentos reprimidos que lhes causam dor e sofrimento. E, para não sentir, não param e torturam o corpo. No entanto, é olhando a dor de frente que ela se dissolve e as suas marcas podem ser apagadas de modo natural. A vida faz os ajustes necessários, no devido tempo.

Inquietações, desconfortos ou dores, cujas raízes são internas, não se eliminam com coisas do mundo externo. Acumulação de bens materiais, poder e status social não curam os problemas de ordem emocional de ninguém, ao contrário, camuflam a realidade, impedindo o processo de transformação.

Se não acordamos em tempo, corremos o risco de viver sempre isolados de nós mesmos e procurar no mundo externo o que está dentro: a nossa fonte suprema de amor. Se não conseguimos voltar os olhos para dentro, não obtemos o almejado sustento emocional e espiritual. Tornamo-nos adultos infantis, carentes e dependentes.

Quantas vezes desejamos e cobramos das pessoas com as quais nos relacionamos algo que não fomos capazes de nos dar, como atenção, amizade, aceitação, carinho, respeito, compreensão? Como querer que o outro nos dê aquilo que não nos damos?  É contraditório... 

Se aprofundamos no autoconhecimento, não ficamos carentes e necessitados o tempo todo de atenção externa, vamos descobrir que dentro de nós existe um tesouro, que nos acalenta eternamente, um bálsamo sagrado de silêncio e amor, que nos ampara em qualquer situação. O nosso valor não dependerá de nota dez ou zero de ninguém a nosso respeito. Ganhamos forças para encarar a realidade e deixamos as ilusões, imagens e fantasias caírem. Não ficamos à mercê do julgamento do outro. Vamos ser nós mesmos, mais livres, amorosos e espontâneos, com menos julgamentos e muito mais aceitação, conosco e com os outros. Existem pouquíssimas coisas que poder e dinheiro não compram, entre elas, a paz de espírito, a verdadeira autoestima e o amor sincero de alguém.

Se conseguirmos relacionar com mais harmonia conosco, em primeiro lugar, os relacionamentos com as pessoas ao nosso redor serão fundamentados no compartilhar,  vidas que se encontram em uma dada dimensão de tempo e espaço. Bem diferente de uma relação de necessidades e exigências, que coloca o outro como um objeto, com o dever de nos nutrir e atender as nossas demandas, por mais absurdas que sejam.

À medida que nos interiorizamos, expande o sentimento de autoaceitação e  amadurecemos emocionalmente. Consequentemente, aumentamos as nossas possibilidades de atrair pessoas com as quais podemos nos relacionar de forma mais consistente e amorosa, com base no respeito recíproco e com uma troca sincera de afeto, ao invés do apego e da dominação que “coisificam” as pessoas.

O amor não contempla a posse e o apego. Se um número maior de pessoas tivesse abertura, coragem para sair da parte periférica do ser e aprofundar o contato interno, não haveria tanta miséria afetiva,  haveria muito mais encontros, que nutrem as pessoas,  do que desencontros, que frustram, decepcionam e ferem uns aos outros. Entretanto, grande parte prefere a pseudossegurança de suas cascas e das águas rasas. E, no raso, não dá para conhecer quem realmente somos.  A nossa essência fica esquecida, adormecida e a nossa capacidade de dar e receber amor permanece encolhida.

As potencialidades mais belas do ser humano ficam invisíveis vistas da superfície. Se quisermos descobri-las e vivenciá-las, temos que perder o medo das águas profundas e dar um mergulho em nosso ser, de onde resgatamos o senso maior de dignidade, respeito e valorização da nossa expressão. Assim, abrimos passagem para o amor entrar e fluir em nossas vidas.

ENILDES CORRÊA – Consultora na área de Qualidade de Vida. Ministra seminários vivenciais a organizações governamentais e privadas. Autora do livro Vida em Palavras

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Você é sempre uma ave livre




“Você é sempre uma ave livre. A gaiola é uma ilusão. Apenas adquira confiança e voe.” Kiran Kanakia





“Diga sim à vida, aceitando-a como ela é. Confie na vida, viva com essa confiança e flua em harmonia com o fluxo da Existência.  Tudo acontecerá do jeito que a vida quer. E permaneça alerta em cada momento”.  Kiran Kanakia

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Massagem Oriental - Força de Vida

por Enildes Corrêa
        "O corpo tem sido muito mal usado. Você tem maltratado seu próprio corpo. Você não 
        conhece o mistério do corpo. Ele não é somente pele; não é somente ossos; não é só
        sangue. Ele é uma grande unidade orgânica, um grande dinamismo. "
Osho


Massagem é uma terapia corporal existente desde a Antiguidade, e várias técnicas foram criadas desde então, no Oriente e no Ocidente. É muito difundida, reconhecida e respeitada no Oriente, em  países como a Índia, China e Japão. Constitui um dos tratamentos da medicina tradicional milenar indiana Ayurveda e chinesa. 

A ênfase dessas duas ciências médicas mais antigas da humanidade está na prevenção.  Para termos uma  ideia,  na China antiga, o médico   só recebia seus honorários quando o paciente estava saudável. Se alguém da família adoecesse, ele não era remunerado. Uma abordagem completamente oposta à da medicina  ocidental, não é mesmo?

A massagem terapêutica oriental auxilia a manter o corpo em ordem, em estado de equilíbrio e harmonia, evitando o aparecimento de distúrbios físicos, mentais e energéticos, que acarretam sérios prejuízos à saúde.

Na Índia, a técnica da massagem ayurvédica  e os seus diferentes estilos é ensinada nas faculdades e clínicas de medicina Ayurveda. É aplicada  nas pessoas das mais diferentes faixas etárias – dos bebês aos idosos. Na sua aplicação são usados óleos e pós medicinais.

A massagem oriental beneficia a saúde integral do ser humano, tanto na prevenção como no apoio a inúmeros tratamentos médicos, uma vez que eleva muito o nível de vitalidade, o que permite ao organismo responder, de forma mais ativa e dinâmica, à  própria medicação  que  o paciente estiver recebendo. 
  
Posso falar com familiaridade da Yoga Massagem Ayurvédica Tradicional, com a qual trabalho desde 1998. Há mais de vinte anos estou em contato com técnicas terapêuticas corporais, desde as que atuam nas camadas mais densas às mais sutis do nosso corpo. E confesso, honestamente, que não encontrei no Oriente ou no Ocidente, terapia corporal que dê resultados tão rápidos e eficazes para abrir e remover as tensões mais crônicas (couraças musculares) do corpo como o método concebido pela Mestra indiana Kusum Modak.

A combinação de massagem que atua na musculatura profunda do corpo, aplicada com as mãos e os pés do terapeuta, aliada aos alongamentos fundamentados em Yoga, os quais Kusum criou a partir da sua ampla e respeitada experiência com Iyengar Yoga,  amplia os efeitos terapêuticos desse trabalho de  forma efetiva, segura e veloz.

Tenho testemunhado transformações surpreendentes nas pessoas, especialmente nas que passam por um processo intensivo de tratamento. Quantos distúrbios de ordem física e psicológica podem ser evitados e tratados a partir da liberação das  tensões musculares crônicas, da ativação da circulação sanguínea, da regulação do tônus muscular, da reorganização da estrutura corporal, da ampliação e relaxamento da atividade  respiratória, elevação do nível de vitalidade, que são alguns dos benefícios imediatos que a Yoga  Massagem Ayurvédica Tradicional proporcionam, além de rejuvenescer o corpo por inteiro. Aliás, através dessa técnica o rejuvenescimento é real, acontece de dentro para fora, não sendo meramente uma capa externa a  mascarar um corpo velho. 

As tensões e dores emocionais que acontecem desde a infância deixam suas marcas e registros na musculatura profunda do corpo. Se não as tratarmos de forma adequada, iremos carregá-las como uma mala pesada nas costas, comprometendo, ao longo dos anos, não só a nossa vitalidade, como também a clareza de visão. O corpo com tensões acumuladas torna-se um fardo aprisionado pelo enrijecimento e desorganização de sua estrutura, desregulando o padrão natural de funcionamento dos órgãos vitais, além de originar perturbações também em nível mental e energético. Na medicina oriental, corpo, mente e energia são tratados como uma unidade orgânica indivisível.

Sinto-me honrada e grata à Existência pela oportunidade de aprender, na Índia, a Yoga Massagem Ayurvédica Tradicional. Tive a dádiva de estudar e conviver diretamente com Kusum Modak, a qual tem contribuído para dignificar o trabalho com massagem terapêutica, testemunhado por pessoas das mais diferentes partes do planeta.

Cada vez que constato os excelentes resultados nos tratamentos com a YMAT, fica a vontade de compartilhar esse poderoso método terapêutico corporal indiano. E  pensar que os benefícios da massagem e de outras terapias corporais orientais, lamentavelmente, ainda são vistos de  forma muito superficial, como se fossem um “remediozinho” água com açúcar... Que engano! Mas, a tendência da maioria das pessoas é negar aquilo sobre o que lhe falta conhecimento e experiência.

Namaste.

ENILDES CORRÊA é Administradora e Terapeuta corporal Ayurveda. Ministra palestras e seminários a organizações governamentais e privadas. Autora do livro Vida em Palavras – coletânea de crônicas.