segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Mapeando a Paz

por Enildes Corrêa - omsaraas@terra.com.br
imagem: Google         
Os períodos eleitorais suscitam-me algumas reflexões e análises. Ao voltarmos os olhos para um passado mais longínquo, verificamos que na Índia Antiga, por exemplo, os reis tinham abertura e humildade de consultar os Mestres espirituais iluminados sobre algumas questões relativas aos seus reinos. A visão dos Seres Despertos é clara, límpida e ampla.  Dotados de muita sabedoria, têm o devido discernimento para encontrar as raízes e as diversas faces de um problema, passo fundamental para a resolução de qualquer tipo de dificuldade, na vida pessoal ou na de uma nação. 

O mundo mudou, as pessoas mudaram e os valores se inverteram. Os governantes não procuram mais os sábios para se aconselharem. Em seu lugar, na esfera política, surgiu a figura do profissional da área de marketing político.  Os marqueteiros, contratados a peso de ouro, para assessorar os políticos ou aspirantes a tal na construção do melhor perfil de suas imagens junto ao povo, maquiam o candidato ao gosto do eleitor.  Toda uma estrutura montada para saber o que a população espera de um candidato político para tentar enquadrá-lo dentro dessas expectativas.  Nesse contexto, geralmente, o candidato perde a sua autenticidade.     

Dessa forma, a proposta não é encontrar o sapato adequado para o tamanho  do pé, mas cortá-lo, se assim for preciso, para encaixá-lo na forma do sapato desejado. Grande parte da luta pela vitória nas urnas, sobretudo nos cargos majoritários, volta-se à construção da imagem e do discurso ideal para conquistar o voto do eleitor.

E essa é uma das doenças da nossa sociedade: a imagem passou a ter mais peso e importância do que o real.  Por conta disso, investem-se quantias milionárias. Há uma inversão de valores muito grande e a imagem impera soberana sobre a realidade. 

Então, eu faço esta pergunta: se, para algo tão ilusório e efêmero como uma imagem, convocam-se os melhores e mais brilhantes profissionais, por que não se aplicar o mesmo empenho em relação à paz? Pelo que tenho acompanhado nos noticiários, parece que se procura pela paz onde ela não pode ser encontrada.

Para adquirirmos uma formação, estudamos anos a fio em uma instituição de ensino regular, na qual temos inúmeros professores, um para cada disciplina. Quem é expert em Matemática ensina Matemática e não Língua Portuguesa, e assim por diante. Em relação à paz, não deveríamos seguir o mesmo raciocínio e irmos em busca dos Mestres da Paz, para que eles dividam conosco a sua compreensão e o seu silêncio interior?

Os líderes políticos têm falado sobre a paz. Mas eles entendem da política da paz ou da política manipuladora? São íntimos do silêncio, da quietude ou do poder? Até que ponto estão, realmente, empenhados na construção da paz se a própria política que fazem é agressiva, dominadora e invasora? Será que, no nosso meio político, há pessoas que conquistaram a paz de verdade, que se tornaram seres equilibrados, pacíficos, simples, compassivos e felizes? Caso contrário, como conduzirão uma sociedade para a paz e a harmonia se eles mesmos ainda não a encontraram em suas vidas e desconhecem os seus caminhos?

Se queremos a paz, além de assumir a nossa responsabilidade individual e intransferível, cidadão por cidadão, que passa pela conquista da paz interior, quer seja o presidente do país, quer seja o lixeiro da nossa rua, seria de muito bom senso ter a orientação daqueles que verdadeiramente a conhecem, que são íntimos dela e se tornaram eles mesmos uma Ponte de Paz para a humanidade, como Dalai Lama e outros mestres espirituais. 

Diante dos graves e incontáveis atos insanos que atentam contra a vida, algo que a nossa sociedade necessita, com urgência premente, é de mais e mais pessoas em equilíbrio consigo mesmas, com o outro e com a natureza. O nosso planeta iria agradecer. O  tempo todo, influenciamos uns aos outros com o nosso estado emocional, mental e espiritual. Lastimavelmente, a questão da cultura da paz na sociedade não é levada a sério pelos governantes. É tratada como assunto de pouca ou nenhuma importância pela classe política.

Os políticos até agora têm construído pontes de concreto, algumas de uma beleza majestosa, porém estas não serviram para fazer a travessia da grande massa do povo da margem da miséria para o outro lado, no qual possam germinar as sementes de uma vida com mais amor, justiça social e dignidade.      
 
E, neste instante, recordo--me de uma frase de George Bernard Shaw: “Vemos as coisas como elas são e perguntamos: ‘Por quê?’. Sonho com coisas que nunca existiram e pergunto:  Por que não?”.

BENEDITA ENILDES DE CAMPOS CORRÊA é Administradora e Terapeuta Corporal Ayurveda. Ministra palestras e seminários a organizações governamentais e privadas na área de Qualidade de Vida e Humanização das Relações de Trabalho. E-mail:omsaraas@terra.com.br

Compartilhe este artigo nas redes sociais:

0 comentários:

Postar um comentário